A pintura de paisagem e a formação da ciência geomorfológica nos Estados Unidos no século XIX

  • Antonio Carlos Vitte Departamento de Geografia, Instituto de Geociências, Unicamp. http://orcid.org/0000-0002-8917-7587
  • Maira Kahl Ferraz Mestre e Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências, Unicamp.

Resumo

O objetivo do trabalho é apresentar a relação entre a pintura de paisagem e a formação da ciência geomorfológica nos Estados Unidos no século XIX. O caso estudado é o da Hudson River School, escola representativa na pintura de paisagem, na qual os artistas acompanhavam muitas expedições para o oeste americano. Dois artistas merecem destaque: Stanford Gifford e Thomas Moran, que, influenciados pelo uniformitarismo de Lyell e pelas pesquisas em geologia e geomorfologia, pintaram as grandes paisagens geomorfológicas que ilustraram as principais teorias de evolução do relevo no oeste americano, como as de John Wesley Powell.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Vitte, Departamento de Geografia, Instituto de Geociências, Unicamp.

  

Maira Kahl Ferraz, Mestre e Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia, Instituto de Geociências, Unicamp.

  

Publicado
2017-03-31
Como Citar
VITTE, Antonio Carlos; FERRAZ, Maira Kahl. A pintura de paisagem e a formação da ciência geomorfológica nos Estados Unidos no século XIX. Revista Brasileira de Geografia, [S.l.], v. 61, n. 2, p. 35-47, mar. 2017. ISSN 2526-0375. Disponível em: <https://rbg.ibge.gov.br/index.php/rbg/article/view/64>. Acesso em: 17 ago. 2017. doi: https://doi.org/10.21579/issn.2526-0375_2016_n2_p35-47.
Seção
Artigos

Palavras-chave

Landscape paintings;geomorphology;American West;John Wesley Powell,Hudson River School.